sexta-feira, 8 de maio de 2009

A MANILHA VAI SECA (4): Outra vez?

José Sócrates esteve no Algarve, onde participou na cerimónia que assinalou o arranque da Iniciativa Emprego 2009 e apresentação dos Gabinetes de Inserção Profissional na região.

Querem saber o que disse o mui ilustre secretário-geral do PS e primeiro-ministro de Portugal?

“A melhor forma de lutar pelo emprego é realizar mais investimento público, que é absolutamente essencial para dar mais oportunidades às empresas que precisam desse dinamismo na nossa economia e para garantir mais possibilidade de emprego”.

“Um pouco por todo o Mundo, os governos o que estão a fazer é dar o seu melhor para promover mais investimento público e darem mais oportunidades à sua economia e ao seu mercado de trabalho. É isso que queremos fazer aqui em Portugal”.

Ele já tinha dito isto, não tinha?

Um milhão de vezes, pelo menos, certo?

Sócrates é um bom orador e consegue apresentar discursos articulados e certeiros, com uma mensagem bem positiva, que só contrastam com as palavras, ideias confusas e mal estruturadas e tom vocal enfastiado de Manuela Ferreira Leite. Até aqui, pontos para Sócrates. O problema é que este primeiro-ministro tem o dom de ser repetitivo até doer. Se for preciso, usa mil vezes o mesmo discurso, até que todos o saibam já de cor.

Certa vez, a desgravar um discurso de Sócrates numa apresentação qualquer de um investimento estrangeiro qualquer numa cidade qualquer, notei que o chefe do Governo usava, pelo menos, duas vezes a palavra “investimento” em cada frase. A dada altura, ao ouvir novamente a gravação (porque não estive para tomar notas durante a apresentação), a minha mente só fixava: “Investimento, investimento, investimento, investimento, investimento”…

Às vezes, este gajo consegue ser mais chato do que o Cavaco!

1 comentário:

Maria João disse...

Eu sabia....
Eu sabia que havia qualquer coisa no discurso de Sócrates que me desagradava... não sabia bem, se era o tom ou a colocação da voz, se era a postura... mas lá que havia alguma coisa que me irritava, era verdade. Havia e há!
E não é que hoje tu me revelas, a tal razão que tanto me incomodava?
Pois é mesmo essa repetição de palavras, e olha que aquilo deve ser estudado porque eu acho que ele treina em casa. Tenho sempre a sensação que ele está a representar e não sei porquê...

Um beijinho