sábado, 2 de maio de 2009

A MANILHA VAI SECA (2): Vital para o PS

Vital Moreira necessitava de apanhar.

Mesmo, mesmo, mesmo.

Não, não estou a desejar mal algum ao senhor. Tão pouco estou a afirmar que o cabeça-de-lista do PS às Eleições Europeias disse ou fez algo merecedor de lhe chegarem a roupa ao pelo.

O PS e Vital Moreira já tinham percebido que não iriam conseguir grande vantagem para umas eleições que são uma espécie de ensaio geral para as Legislativas. Como tal, dava jeito uma «campanha negra» que fizesse do PS o coitadinho, o desgraçadinho em que todos acabam por votar, movidos por um sentimento misto de pena e indignação. Vai daí, um alegado ex-militante do PCP decide agredir Vital Moreira em pleno desfile do 1.º de Maio.

Mário Soares já ganhou eleições depois de ter sido agredido na Marinha Grande. Nas últimas Europeias, a morte de Sousa Franco depois de uma passagem atribulada por Matosinhos acabou por dar uma ajuda ao PS. Agora, é Vital Moreira quem apanha de um membro do partido que, em tempos, ele chegou a defender com unhas e dentes… mas que agora critica como se não houvesse amanhã.

Confesso que tenho dúvidas sobre a legitimidade desta agressão ao cabeça-de-lista do PS e socialista em part-time. Pode até ter sido espontânea e genuína, mas lá que foi conveniente como tudo, foi…

5 comentários:

elvira carvalho disse...

Também tenho as minhas dúvidas. Mas ouvindo falar alguns dos manifestantes, acredito que se o Vital Moreira foi agredido de certeza foi por uma daquelas pessoas.
O pior em política, é que o povo sempre faz aquilo que interessa àqueles que considera como inimigos.
Um abraço e gosto deste espaço, sabe.
Vim no outro dia a convite da Lídia e como vê voltei.

Maria João disse...

Caro Dr. Mento

Então e ele, que é um rapaz esperto ( ou não? ), não imaginaria que era isso mesmo que iria acontecer?
Eu cá, parece-me que ele fez muito bem os trabalhos de casa e as contas já iam feitas, por assim dizer... e não é que bateram certas?


Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Dr.Mento

Há um ditado que diz: Deus escreve direito por linhas tortas. Ora alguns políticos também se bem que para eles escrever direito consista em atingir os seus desígnios ainda que à custa de malabarismos pouco éticos.
É um tempo pobre este que vivemos. Pobreza espiritual, de valores, de sentimentos. A pobreza material até é secundária na medida que é uma consequência das anteriores.

Abraço

Zé Povinho disse...

Também não pactuo com violências sejam elas contra quem forem. O que me intrigou neste caso, e porque também não encontrei nenhum argumento convincente é a razão da ida de Vital M. à manifestação da CGTP, porque a representar o PS, não é crível por não ser militante (afirma-o ele), como candidato ao PE também não faz sentido nenhum até porque a campanha ainda não começou verdadeiramente.
A história está mal contada, ou então Vital estava mesmo a pedi-las.
O Zé Povinho

R. Rudoisxis disse...

Violência gera violência e nunca é solução. Contudo parece ser moda escandalizarmo-nos com a violência fisica, quando acontece violência verbal e moral todos os dias por parte dos senhores dos tachos.Hà uns anos escandalizávamo-nos quando viamos estes senhores a dormir em plenas funções na assembleia.Rabugentos por os não deixarem dormir fazem perder a cabeça a qualquer um.
Afinal e se eu vi bem foi apenas um puxar de casacos com uns gritos à mistura. Gostava mais de ver uns sopapos bem dados e uns murros perdidos no ar porque na confusão raramente alguém acerta em alguém e no final poderão ir ao "Pub" da esquina e entre duas bejecas com sonoras gargalhadas dizerem "Ganda Cena meu..."