quarta-feira, 29 de abril de 2009

JOKER (1): O fabuloso destino de José Sócrates

E se, de facto, José Sócrates for mesmo culpado de tudo aquilo que o acusam no caso Freeport?

Imaginemos que Sócrates tinha mesmo recebido quatro milhões de euros para aprovar uma nova ZPE na zona em que nasceu o Freeport. Imaginemos que tal ficava mesmo provado em tribunal.

Bem, se Sócrates estivesse no Governo, certo é que Cavaco Silva trataria de o demitir imediatamente, sem apelo, nem agravo. Em consequência, Sócrates demitir-se-ia da liderança do PS, deixando os «barões» soaristas, alegristas, ferristas, guterristas, sampaístas e, quem sabe, socialistas, à bulha por um lugar na cadeira do poder.

Se fosse condenado em tribunal, Sócrates teria, provavelmente, de pagar uma multa. Coisa de cinco mil euros - moedas, para quem recebera quatro milhões. Recentemente, o administrador da Bragaparques Domingos Névoa foi condenado a uma multa de cinco mil euros por tentativa de suborno ao vereador José Sá Fernandes, a quem ofereceu 200 mil euros para que este desistisse de um processo a propósito da permuta de terrenos da Feira Popular e do Parque Mayer. Baseado neste exemplo, sou levado a crer que Sócrates não deveria pagar mais de cinco mil euros… isto se ele não apresentasse recurso, atrasando o cumprimento da sentença por tempo indefinido e indeterminado (foi também o que fez Domingos Névoa).

Depois de ser condenado em tribunal e de ser espoliado dos seus cargos, Sócrates seria conduzido a um cargo de administrador não executivo na Caixa Geral de Depósitos. Aliás, é neste banco, que, regra Geral, se fazem os Depósitos de antigos detentores de cargos políticos, que assim passam a auferir gordos salários a troco de um lugar onde nada fazem.

Como Sócrates não é homem de ficar a carpir as suas mágoas, de imediato trataria de mover processos contra todos os jornais e órgãos de comunicação social em Portugal, por causa das notícias publicadas sobre o caso Freeport. De imediato, os tribunais alegariam que, apesar de as notícias serem verdadeiras, as mesmas prejudicaram o ilustre cidadão José Sócrates. Por isso, os órgãos de comunicação social seriam obrigados a pagar indemnizações de largos milhões de euros cada um, mesmo ficando provado que disseram a verdade e desmascararam um facínora corrupto. Algo semelhante aconteceu com o Público a propósito de uma notícia sobre o Sporting.

Depois de se encher de dinheiro, Sócrates compraria uma quinta no Alentejo, onde iria passar largos meses a escrever um livro, onde denunciaria as campanhas negras contra si movidas. O livro venderia como pãezinhos quentes e Sócrates ficaria ainda mais rico.

Mais rico e desdenhoso em relação a todos os que sempre viveram de acordo com a lei.

Mais rico e desdenhoso em relação a todos os que sempre se recusaram a vergar a espinha dorsal.

6 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Dr.Mento

Depois venho comentar com mais tempo o post. Quero agradecer a tua visita e parabenizar-te pela qualidade do blogue que é fundamental para o esclarecimento que nos liberta.
Se me autorizares irei publicar o teu comentário sobre a violência com um link para este espaço.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Dr.Mento

E assim se faz a justiça em Portugal.


Abraço

Dr. Mento disse...

Claro que autorizo:)

Estás perfeitamente à vontade.

Nocturna disse...

Dr. Mento,
Esta é a justiça que temos, só vai para a cadeia ou é realmente punido quem é pobre. Estes figurões têm sempre a administração de uma empresa à espera deles para continuarem a encher-se.
Os portugueses vão ter oportunidade de correr com eles, mas o mais certo é que não o façam.
Será sina ? Será fado ?
Eu acho que não nasci para ser burro de carga, mas a maioria dos votantes não9 parece pensar assim.
Obrigada pela visita ao meu pobre cantinho.
Um abraço
Nocturna

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO DR. BENTO... PARABÉNS PELO BELÍSSIMO BLOGUE... E PELO TEMA AQUI ABORDADO... GOSTEI DA FORMA COMO FOI REDIGIDO E ESTOU PLENAMENTE DE ACORDO CONSIGO... BEIJINHOS,
FERNANDINHA

Maria João disse...

Caro Dr. Mento

Acabo de viver um momento verdadeiramente prazeroso, ao ler os artigos iniciais deste seu blogue que promete ser deveras interessante e por isso foco da minha atenção futura.
É cada vez maior e mais intensa esta minha necessidade de juntar a minha pequena e humilde voz revoltada, à de outras tantas que se ouvem neste país, embora muitas já roucas e outras abafadas de qualquer maneira, porque o ruído é grande e não se pode prejudicar ainda mais o ambiente.
Por isso, e não sendo este um abaixo assinado, impedindo-me assim de oficializar a minha concordância com tudo o que aqui afirmou, permita-me que lhe dê os meus elogiosos parabens por tamanho discurso de inteligencia, humor e lucidez!

Um abraço